Filosofia; Arte; História; Humanismo e Ecologia

26
Out 08

«Ankor assimilava, dia após dia, mês após mês, a serena majestade das árvores, a beleza alegre das quedas de água, o entusiasmo avassalador das tempestades e a prudência das gazelas. As plantas, o vento e a cascata, ao penetrarem na sua alma, enchiam-na de misteriosos murmúrios, de seres transparentes e musicais… (...) Das nuvens de incenso e mirra, que agora aureolavam as altas lâmpadas, caíam espaçadamente pétalas de lótus brancos e azuis, ornadas de orvalho gelado. Chegados ao caracol, que não teria menos de dez metros de altura, Assh explicou-lhe que era o símbolo do tempo e que os seus olhos, elevados acima da cabeça, representavam a intuição da Alma, muito superior ao raciocínio da mente. (...) Após uma reverência, cingiram a fronte de Ankor com uma fita de ouro que segurava uma serpente, à qual chamavam Oureus, símbolo da atenção, da vontade e da perseverança. Entregaram-lha com estas palavras: — Este é o símbolo do poder sobre a Vida e sobre a Morte.» Na Ilha de Poseidónis, último fragmento do mítico continente atlante, encontramos Ankor, um príncipe e filósofo que será a última Serpente Solar daquela civilização portentosa. A sua aventura iniciática comove todo aquele que interroga os mistérios mais profundos da alma humana e do Universo. Uma obra ímpar, já publicada em mais de sete línguas, que nos transporta para um mundo pleno de beleza e sabedoria. Mas, conseguirá Ankor, depois da sua iniciação, cumprir a grande missão da sua vida, com o fito de que esse mundo não se perca totalmente?

 

Livro altamente inspirado e inspirador! O auto é Jorge Angel Livraga.

Aqui o site da editora: www.esquilo.com

 

 

publicado por filósofo às 18:52

Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

27
28
29
30
31


arquivos
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO