Filosofia; Arte; História; Humanismo e Ecologia

18
Mai 08

Diz-se que o Amor expande a Vida e dissipa o temor que aparece muitas vezes associado com a perda e o egoísmo. E também se diz que quem o perde, perde também a vida, ainda que prossiga o movimento natural do corpo.

Em algumas culturas antigas, onde se procurava que a cada coisa fosse atribuído o seu real valor, era muito importante uma consistente consciência da Unidade da Vida, isto é, o que une tudo aquilo que ilusoriamente consideramos como separado. E a cola que une tudo, não é mais do que as várias facetas do Amor, mas sempre entendidas no seu mais sublime sentido.

É também o laço que une os seres humanos por causas e propósitos comuns e até a força que une os átomos para formar moléculas, ainda que isto seja relativamente inconcebível para nós.

Enfim, entre o mais carnal até o mais divino, se extende uma ponte a fazer de união e que é feita desse substrato tão pouco tangível a que chamamos de Amor.

E algures no meio se encontra cada um de nós dirigindo-se ora para um lado, ora para outro, consoante a sua perspectiva do sentido que toma a ponte.

Cada um decidirá sobre que direcção quer tomar e ninguém poderá fazer juízos de valor sobre essa escolha, a não ser o próprio no seu mais íntimo exame de consciência.

publicado por filósofo às 21:15

Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30
31


arquivos
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO