Filosofia; Arte; História; Humanismo e Ecologia

01
Jan 11

Decidi reabrir as postagens para colocar isto. Chamam-lhes "Los Niños del cable". Está em Espanhol mas percebe-se perfeitamente o conteúdo e sobretudo a proporção da desgraça e completo desinteresse pelas crianças. Bem... não completo...afinal alguém se deu ao trabalho de instalar o cabo!

A ver agora quem é que se queixa de ter dificuldades para chegar ao trabalho!

 

 

publicado por filósofo às 14:24

13
Nov 09

Eis um exemplar do boletim filosófico da Ass. Cultural Nova Acrópole:

 

Clique sobre a imagem para o abrir numa nova janela:

 

 

publicado por filósofo às 19:48

24
Out 09

Saudações:

 

Já ouviram falar em lixeiras a céu aberto?

E em lixo despejado nas matas de forma indiscriminada? Imagino que sim.

 

Pois agora imaginem que em Portugal nos juntamos todos (metaforicamente falando) e, pondo mãos à obra, limpamos todo o lixo colocado nas nossas florestas, dando uma mensagem clara de que nos importamos com a natureza ao nosso redor.

 

Utopia? Pensam que sim? Então pensem melhor:

 

Vão ficar em casa?

publicado por filósofo às 16:59
sinto-me: Actualidade; Opinião; Natureza

12
Out 09

Saudações:

 

Eis um exemplo e inspiração para todos:

 

Chama-se Pamela Gower, tem 26 anos e nasceu sem braços, tem escoliose e uma perna mais pequena do que a outra.

 

Não se acomodou nem se deixou ir abaixo e faz aquilo que gosta: Pintar.

 

 

 

 

publicado por filósofo às 20:44

11
Out 09

Interessante seguir:

 

curso


Filosofia e Psicologia Prática

Conhece-te a ti mesmo

 

 

Apresentação livre
Quarta, dia 21 de Outubro, 20h

 

Temas do Curso

- As sete dimensões no Homem e no Universo.
- Índia: a guerra e harmonia interior.
- Karma e Dharma: o Homem e o sentido da vida.
- Filosofia Budista: Vias para a superação da dor.
- O equilíbrio como meio para alcançar a felicidade.
- Os caminhos da sabedoria: o amor, a beleza e a filosofia.
- O filósofo como protagonista de uma mudança no mundo.
- Grécia: a política e a arte de governo de si próprio.
- O mito da caverna: como conseguir ser autêntico num mundo manipulado.
- O despertar da alma e a educação à maneira clássica.
- A filosofia como meio para aprender e entender a história.
- Ideais que inspiraram os homens e transformaram a história.
- A Mitologia: uma forma de entender os ensinamentos mais além do tempo.
- O Homem e o seu destino.
- Como ser protagonista da nossa própria existência.

Duração: 16 sessões,
Às Quartas-feiras das 20h00 às 22h00


INSCRIÇÕES ABERTAS

Vide programa
>>>

Informações e inscrições através do tlm. 931 783 234

ou do e-mail aveiro@nova-acropole.pt


Saudações:

 

No dia 9 de Outubro, duas naves embateram contra a superfície da lua na tentativa de descobrir água (segundo a NASA) numa missão chamada de LCROSS.

 

Muitas pessoas esperavam um espectáculo de encher o olho, mas na realidade as imagens foram um pouco diferentes, não dando para distinguir muito bem entre a superfície do nosso satélite natural e a poeira criada pelo impacto.

 

Duas reflexões me surgem:

 

1º - Muita da nossa ciência baseia-se (tal como a nossa sociedade actual) em actos de violência: colisão de partículas, testes dolorosos em seres vivos e agora também choque de foguetões contra a lua. Não será de admirar que, sentindo-se violentada, a natureza tome medidas defensivas em consonância. E nem sequer é preciso acreditar nas teorias que afirmam que a Terra é um ser vivo, assim como o Sol e outros planetas, é só uma questão de senso comum: se alguém vê a sua sobrevivência posta em risco por outrém e não vê nisso um desígnio superior, o mais normal é reagir.

 

2º - O nosso lado perverso se mostra insaciável perante espectáculos em que a violência é o ingrediente principal. Já não chegam as mortes em directo, agora é preciso um prato mais forte para satisfazer a nossa necessidade. Não digo isto de forma gratuita: nos vários sítios que visitei (oficiais e não oficiais) o tema dominante era a desilusão que o minúsculo efeito do embate tinha criado e não o verdadeiro objectivo da missão: descobrir água.

 

Não acredito sinceramente que a ciência tenha que ser violenta, nem que o ser humano tenha que demonstar perversidade, essas são só algumas das suas facetas mais escuras que não mostram verdadeiramente quem somos. Espero que um dia o possamos demonstar com a vivência plena dos nossos maiores ideais, não como honrosas excepções, mas sim como a tónica dominante. Que fraternidade, união, valor, honra não sejam palavras que qualquer pequena brisa possa arrastar, mas antes sólidos bastiões onde o Homem se possa ancorar.

 

Mas não nos preocupemos, afinal as coisas não vão assim tão mal, pois não...

 

 

publicado por filósofo às 19:32

09
Ago 09

Ah, como o tempo é curto em periodo de férias... Ou será que não...


Para Shakespeare não tinha a ver com questões circunstanciais, mas com aproveitá-lo da melhor forma possível.


O tempo é muito lento para os que esperam
Muito rápido para os que tem medo
Muito longo para os que lamentam
Muito curto para os que festejam
Mas, para os que amam, o tempo é eterno.


Shakespeare

 

Leitura aconselhada para quem tem problemas de tempo:


Sobre a Brevidade da Vida de Séneca

 

publicado por filósofo às 22:51

01
Jul 09

"Quando o homem começa com certezas, termina com dúvidas, mas se começar com dúvidas terminará com certezas"


Francis Bacon

publicado por filósofo às 19:18

25
Jun 09

Saudações:

 

Não posso deixar de compartilhar isto convosco. O vídeo que deixo a seguir é sobre um dos projectos sociais e musicais mais importantes do mundo. Quando o vi pela primeira vez, chorei do princípio ao fim. Acontece na Venezuela e baseia-se no princípio de que a música clássica pode salvar crianças da exclusão,da criminalidade, da desgraça moral e dar um sentido mais nobre às suas vidas. O seu mentor, José Abreu é um verdadeiro filósofo e entendeu há mais de trinta anos que a música clássica pode salvar a alma do ser humano, do vórtice da nossa sociedade em acelerada decadência. Criou um projecto ao que já chamam de " O Sistema" (El Sistema, em Espanhol) e que por sinal não é totalmente ortodoxo no qual 250.000 crianças por todo o país tocam um instrumento e fazem parte de uma orquestra e quando falam sobre a sua experiência, os seus depoimentos são verdadeiramente tocantes. Para já também deu ao mundo aquele que no meio musical começa a ser denominado com o melhor maestro que apareceu em muitos anos: Gustavo Dudamel. Num lugar improvável e com pessoas improváveis um milagre aconteceu...

 

Chama-se este documentário Tocar y Luchar (Tocar e Lutar)

 

 


24
Jun 09

O que o Sr. Keely realizou já é suficientemente grande e maravilhoso; tem ele, com a demonstração do seu sistema, uma tarefa suficiente para “abater o orgulho daqueles materialista científicos, revelando mistérios que se encontram além do mundo da matéria”…

H.P. Blavatsky em Doutrina Secreta – Vol. II
 

Agora que se começa (ou pretende começar) a reabilitar o trabalho colossal que Nikola Tesla fez para o desenvolvimento humano em nome de uma ciência abrangente e claramente vanguardista, outras figuras de valor inestimável na mesma área de trabalho poderão começar a ter o seu trabalho cada vez mais reconhecido, à medida que este seja compreendido em toda a sua extensão.

 

É o caso de John Keely, cidadão estado-unidense que viveu e desenvolveu o seu trabalho durante o séc. XIX.

 

Construiu um motor sobre o qual alegava que a energia que o alimentava vinha de uma fonte desconhecida para muitos, mas que estava perfeitamente acessível, pois fazia parte da natureza no seu estado mais ínfimo. Esta energia livre e gratuita serviria para alimentar motores construídos de forma conveniente para poder ser utilizada em tudo aquilo que a imaginação e o bom senso permitissem. Este é o famoso motor perpétuo que alguns clamam que possuem, como por exemplo a comunidade Methernita na Suíça.

 

Imaginem um meio de gerar energia sem custos (só os do aparelho que aproveitaria esse tipo de energia quase inesgotável). Uma utopia, uma afronta às potências energéticas ou uma forma de resolver os problemas da miséria actual?

 

Fazia funcionar este motor com música, isto é com notas musicais precisas, vindas de um instrumento ou diapasão que criariam, segundo Keely, uma ressonância com os elementos mais subtis dentro da matéria, fazendo-a libertar a sua energia em potencial. E ainda poderia criar outro efeito surpreendente canalizando esta energia de forma diferente: Anti-gravitação.

Ao quebrar as ligações energéticas mais subtis às quais chamava de interetéricas (a essência da libertação da energia e consequente aproveitamento), as partículas assim libertadas teriam tendência para se dispersarem até aos elementos que lhes estavam afim na natureza (algo assim como o fenómeno da osmose) criando uma mudança na polaridade de um objecto fazendo com que não mais fosse atraído pela polaridade da Terra, mas sim repelido, pois segundo este princípio, a gravidade seria um efeito de polaridades inversas entre corpos.

 

Segundo as suas teorias, (das quais alguma investigação actual faz eco) existem vários níveis de energia no Universo e nós dominámos somente as mais básicas:

Tabela de correspondência entre termos usados por Keely, pela tradição das antigas civilizações e pela ciência moderna (segundo Dale Pond):

 

MAIOR FREQUÊNCIA VIBRATÓRIA
 
Keely
 

Noves Infinitos

Mente

Interetérico Composto

Interetérico
Etérico
Interatómico
Atómico
Intermolecular
Molecular
 
MENOR FREQUÊNCIA VIBRATÓRIA
 
 
 
 
MAIOR FREQUÊNCIA VIBRATÓRIA
 
Tradições Antigas
 
Deus
Mente
Éter
Éter
Éter
Fogo
Ar
Água
Terra
 
MENOR FREQUÊNCIA VIBRATÓRIA
 
  
MAIOR FREQUÊNCIA VIBRATÓRIA
 
Ciência Moderna
 
???
???
Gluón
Quarks
Fotões
Plasma
Gás
Líquido
Sólido
 
MENOR FREQUÊNCIA VIBRATÓRIA
 
 
 
 
 

Imaginem que inventam uma máquina nova e radicalmente diferente de qualquer outra existente e que à falta de termos para defini-la, se vêm na obrigação de tentar criar palavras ou associações de palavras para  tentar descrever os processos e resultados a ela associados. Essa foi na realidade a dificuldade com que se deparou Keely ao não ter disponíveis termos suficientemente claros para explicar tanto as suas máquinas como as fontes de energia que supostamente utilizava. “Vibração simpatética” e “Força etérica” não eram propriamente termos que fizessem parte do vocabulário comum, nem sequer científico o que lhe valeu algum descrédito, tanto pela dificuldade de compreensão, como pelo medo de se ser ridicularizado ao ser associado com ideias julgadas estranhas (onde é já ouvi isto!?) a par dos resultados um tanto ou quanto irregulares das suas demonstrações, que se deveram, segundo ele, ao seu imperfeito domínio sobre as técnicas envolvidas. Esta ostracização relativamente ao seu trabalho, dura até aos dias de hoje em que quase ninguém conhece o seu nome nem o seu legado.

 

Se pensarmos bem, toda a vida tem por detrás um movimento perpétuo que ninguém pode negar, não me refiro à passagem do tempo, mas à constante reconstrução da matéria a que assistimos. É a vida que se regenera constantemente e que está sempre a palpitar sem que saibamos exactamente de onde vem esse impulso contínuo que a faz avançar recriando-se constantemente. Imaginem o Universo a parar completamente. Difícil de conceber? Por certo!

Segundo as ideias de Keely (por sinal não estava só nesta busca), por detrás da força que tinha descoberto estaria, não necessariamente uma origem primeira, mas pelo menos uma fonte a partir da qual emana essa energia, a que dava o nome de força etérica e que tem um paralelo algo similar na ciência moderna chamada de energia de ponto zero, e tudo sem que as “leis” de conservação da energia sejam postas em causa, mas sim expandidas.

 

Muito ainda fica por dizer. Fenómenos hoje estudados como o da cavitação, levitação acústica, acorde de massa, a tripla essência dos elementos mais subtis da matéria, foram referenciados por John Keely.

 

No final da sua vida começou a perceber as implicações filosóficas e espirituais das suas descobertas, que o fizeram aproximar-se de antigas tradições que ensinam que a pluralidade da vida vai muito além do que vulgarmente se concebe.

 

Uma forma de energia sem custos é evidentemente uma ameaça às potências energéticas industriais e não é difícil acreditar que não estão dispostas a abdicar dos gigantescos lucros gerados pela sua actividade industrial e começam e aparecer evidências que levam a entender que estão determinadas em abafar toda e qualquer iniciativa que possa colocar em causa o seu domínio, ainda que estas iniciativas sejam feitas em prol de uma humanidade mais justa. Contudo isso não impede que cada vez mais apareçam investigadores livres que, aproveitando o legado deixado por figuras como Keely ou ainda através dos seus próprios métodos, se esforcem por dar ao mundo a possibilidade de uma independência relativamente a necessidade energéticas. É uma luta que promete ser acesa

 

Relativamente a Keely, mais pesquisa necessita ser feita, para que a sua memória e a sua herança possam ser reabilitadas se se comprovar que realmente foi um dos pioneiros na busca dos segredos da natureza em proveito da humanidade.

 

 


Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


subscrever feeds
arquivos
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO